Especialmente na capital do império havia preocupação com a relação dos discípulos com o estado. Paulo desenvolve o que o Senhor Jesus já tinha ensinado, sobre a submissão às autoridades, 13.1-7. Deus colocou as autoridades na sua posição e por isso merecem respeito. “Pratique o bem, e ela o enaltecerá” v. 3. O bem inclui pagar impostos, v. 6, e dar a cada um o que é devido, v. 7.

Os cristãos não devem assumir nenhuma dívida neste mundo além do amor, 13.8-10. Devem fazer isso “compreendendo o tempo em que vivemos” 13.11-16, pois a nossa salvação eterna está próxima. O fim requer urgência da nossa parte, em todas as áreas e, em especial, no amor ao próximo.

Comentário de 13.11

Façam isso. Mostrem amor uns pelos outros em cumprimento da Lei. Compreendendo o tempo em que vivemos. O tempo é curto e o momento é dominado pelo mal. Precisamos sentir urgência. Se a afirmação de Paulo valia no primeiro século, quanto mais hoje?

Alguns pensam que Paulo se refere à iminente perseguição pelo imperador Nero, mas ele parece estar falando do presente que já estavam vivendo.

Chegou a hora. Não se pode esperar pelo dia de amanhã. Temos de agir já. De vocês despertarem do sono. O sono representa a inércia, a falta de ação, a letargia na devoção, a negligência das coisas espirituais. Considerando o tempo, somente o tolo continuaria ignorando o juízo vindouro.

Porque agora a nossa salvação está mais próxima. Paulo aqui pensa no aspecto futuro da salvação, no dia do retorno de Cristo, pois os romanos já tinha recebido o perdão dos pecados. Ver Romanos 5.9. Do que quando cremos. Cada dia nos leva mais perto do nosso alvo. O passar do tempo deve intensificar mais ainda a consciência da chegada do fim. Estamos ainda mais perto de desfrutar relacionamento pleno com Deus.