A versão bíblica de Almeida Século 21 lançada em 2008, foi para uma terceira edição este ano. Nas amostras em PDF oferecidas no site da Vida Nova, as informações das edições são estas:

1.a edição: 2008
2.a edição revisada: 2010
3.a edição: 2013

Se a terceira edição não foi editada, por que foi contada como uma edição e não com uma impressão diferente? Há uma certa confusão aqui.

Não sabemos se devemos ficar contentes ou preocupados com tanta edição em tão pouco tempo. De um lado, demonstra uma certa agilidade da parte da editora para fazer correções ou melhorias.

Por outro lado, pensamos que, se tivessem feito o trabalho que deviam no início, não precisavam fazer tanta edição tão rapidamente. E, se as amostras de PDF incluem todo o material introdutório, não há nada de uma nova apresentação ou prefácio nas últimas edições, como é de costume, para explicar a razão delas.

Em momentos como este convém a uma editora ou qualquer entidade mostrar transparência e comunicar com seu público-alvo a respeito do produto.

Transparência e comunicação estas, por ora, que não manifestaram para conosco quando pedimos informações a respeito da tradução de Ef 3.10, quando escrevemos aos editores por meio do seu site em 2011.

Ficamos contentes em ver que a correção do versículo foi feita na versão online: “para que agora a multiforme sabedoria de Deus seja manifestada, por meio da igreja, aos principados e poderios nas regiões celestiais”. (Sinal de que devia haver semelhante correção na versão impressa.) Na primeira edição, no lugar da frase “multiforme sabedoria de Deus”, veio apenas a palavra “ela”. Temos a primeira edição na nossa frente. Nunca recebemos comunicação nenhuma da editora sobre a questão. Nadinha.

A Almeida Século 21 é uma boa versão. Recomendamo-na acima das outras versões de Almeida. Temos uma certa afinidade por ela, pois a primeira versão que usamos em português foi a Versão revisada de acordo com os melhores textos, da qual a A21 é uma revisão, supostamente. (Digamos “supostamente” porque os editores afirmam ser a A21 “uma nova versão” na “Apresentação” da primeira edição.)

Continuamos usando a Nova Versão Internacional, mas há algumas poucas infelicidades que, pelo tamanho delas, nos deixam desejando uma versão que responda às necessidades textuais. As leituras que estamos fazendo da Nova Bíblia Viva durante este ano de 2013 são prazerosas, na maior parte, mas nunca pensaríamos em usá-la como a versão principal, por causa da sua liberdade com o texto.

Aguardamos ainda, portanto, a versão bíblica que preenche as expectativas.