Em artigo na revista Gospel Advocate para a edição de junho, o irmão Matthew Morine afirma que ao longo da sua história, as igrejas de Cristo têm lutado para se manter separadas e distintas de grupos denominacionais.

À pergunta de como podemos manter a nossa natureza distinta, ele dá três princípios:

  1. Um padrão, ou modelo: “A meta da restauração corre profundo dentro da igreja”.
  2. Fidelidade: “(…) ha necessidade de ser fiel aos mandamentos do Senhor. Uma parte essencial da caminhada cristã é cumprir os mandamentos de Deus”.
  3. Reação: O povo de Deus precisa “separar-se do pecado e erro na cultura. (…) uma recusa de se misturar na onde predominante dos tempos”.

Aqui no Brasil, parece que não está havendo a reação contra a “onde predominante dos tempos” de ser como as denominações, mas sim a recepção destas tendências de braços abertos.

Assim, deixaremos de ser a igreja distinta de Cristo e seremos mais uma denominação entre tantas para a feliz escolha de quem procura uma igreja baseada nas preferências pessoais.

O artigo se encontra disponível neste link.