de Randal Matheny

Jesus se importa com o motivo por que fazemos as coisas. No sermão do monte, ele disse que o motivo errado torna inválidos os nossos atos religiosos (Mateus 6).

Ao evangelizar uma pessoa, é fácil verificar se, na sua experiência religiosa, ela foi imersa ou não e se ela recebeu o batismo como criança ou como pessoa consciente do que fez.

Não tão fácil é verificar se a pessoa entendeu o propósito, o motivo do seu ato. Pois o propósito do seu batismo é estabelecido pelo que a pessoa pensava no período anterior e durante a administração do ato. Sendo que o significado é formado na mente da pessoa, não sendo visível e observável, essa verificação apresenta, no processo do ensino. maiores desafios do que outros aspectos sobre o batismo.

Além disso, com o tempo enfraquece a memória e o seu entendimento é influenciado por leituras ou estudos posteriores. Mesmo assim, com um pouco de cuidado, é possível averiguar por que a pessoa foi “batizada” no grupo religioso a qual pertencia.

O meio pelo qual se faz essa averiguação é por perguntas. Quando Paulo encontrou em Éfeso alguns discípulos batizados, ele fez pergunta sobre a sua conversão, pergunta essa apropriada para o contexto do seu trabalho (Atos 19.1-2). Trabalhando especialmente com evangélicos que praticam a imersão de pessoas conscientes das suas atitudes, precisamos também fazer perguntas apropriadas ao momento.

Tais perguntas devem ser feitas, por escrito, se possível, antes do momento do ensino sobre o batismo.

Entre essas perguntas, é preciso estabelecer o ponto em que a pessoa acha que foi salva e o momento em que ocorreu o batismo.

  • Posso identificar o momento em que aceitei Jesus? Quando e como foi? Onde estava? Qual a data?
  • Qual foi o apelo e o ensinamento que me levou a aceitar o batismo?
  • Quando foi que recebi a salvação? Onde eu estava? O que estava acontecendo?
  • Qual foi o processo que me levou a pedir a salvação da parte de Deus? Qual foi a data?
  • Qual foi a relação de tempo entre a salvação e o batismo? Quanto tempo depois de aceitar Jesus ou de receber a salvação é que recebi o batismo?
  • De quem eu recebi informações sobre o batismo? Qual é a tendência teológica ou denominacional dessa pessoa?
  • O que foi falado no momento do meu batismo? O que foi feito?
  • Qual foi a data do meu batismo?

É necessário, portanto, ouvir da pessoa a respeito da sua experiência religiosa de “conversão”, antes de explicar o que ensina a Bíblia. O perigo de ensinar antes de ouvir é que a pessoa pode projetar a verdade que acaba de aprender no momento no passado em que foi batizada.

Por meio desse procedimento, a pessoa terá como avaliar por ela mesma se sua conversão foi ou não bíblica e terá certeza da sua convicção em Cristo.