Na meditação de hoje no DEUS Conosco, trabalhei o termo “ingênuo” (NVI) em Romanos 16.18. A palavra grega é akakos.

O termo aparece apenas duas vezes no NT, aqui e em Hebreus 7.26. Em Romanos, o termo é traduzido “pessoas simples” (BLH), “corações simples” (TEB), “incautos” (ARA, Vidigal), “inocentes” (ARV, BJ). O termo denota “pessoas ingênuas que são facilmente enganadas” (Spicq, TLNT).

Em Hebreus o sentido é “inocente, sem culpa”, e o termo é usado com mais dois adjetivos: “santo” e “puro”, referindo-se a Cristo como o perfeito sumo-sacerdote.

No último caso, Cristo é o que nenhum de nós pode ser. No primeiro, “ingênuo” é o que nenhum cristão deve ser.

A qualidade de akakos de Cristo nos traz a salvação (Hb 7.25). A qualidade de akakos no cristão leva à perdição.

Por isso, “seja esperto“.